Site Overlay

Estafa mental: como a psicoterapia pode te ajudar a aproveitar melhor 2021?

Estafa mental: como a psicoterapia pode te ajudar a aproveitar melhor 2021?

Estafa mental: como a psicoterapia pode te ajudar a aproveitar melhor 2021?

4.7 / 5 ( 4 votes )

 

  |  Tempo de leitura: 9 minutos

A estafa mental é um estágio avançado de cansaço mental. A exaustão é tão intensa que eventualmente afeta o corpo.

As pessoas não costumam perceber o sobrecarregamento do cérebro de primeira. Sentem desconforto e sensação de “mente cheia”, mas descartam essas sensações. Na sociedade atual, certo nível de cansaço mental é considerado normal.

Será que você sofreu desse mal em 2020 e também não percebeu?

O que é estafa mental?

A estafa mental, ou simplesmente estafa, é um cansaço mental extremo. Quando o cérebro fica sobrecarregado, deixa de funcionar de forma adequada. Assim, a retenção de informações, a memória e a concentração ficam comprometidas.

Para o cérebro chegar à estafa, acontece um desregulamento do sistema nervoso. Esse, por sua vez, aumenta a quantidade do hormônio do estresse, o cortisol, no corpo. Por conseguinte, algumas funcionalidades cerebrais ficam comprometidas.

Os efeitos da estafa podem ser intensos a ponto de culminar em problemas no rendimento profissional e desavenças no relacionamento. Junto com essas questões externas, também podem surgir problemas emocionais.  

É muito comum a sensação de inadequação e de desvalia tomar conta do indivíduo mentalmente exausto. O cansaço estimula pensamentos autodepreciativos, os quais corroboram para o mal-estar da mente e, eventualmente, do corpo. Se não tratada, ela pode evoluir para a Síndrome de Burnout.

Sinais de estafa mental

O estresse diário decorre das obrigações e do trabalho puxado, elementos normais da rotina da maioria das pessoas.

Somam-se esses fatores a relacionamentos frágeis, colegas de trabalho inconvenientes, chefes tóxicos e incômodos emocionais autocriados e o resultado é catastrófico.

O corpo começa a dar sinais sutis da estafa mental para alertar sobre o adoecimento do cérebro. Enxaquecas, falta de concentração, alterações de humor, lapsos de memória… Quando não acatados, eles se agravam e começam a atacar o corpo físico.

Veja mais sintomas abaixo:

  • letargia;
  • dores pelo corpo;
  • perda de apetite;
  • dificuldade de fazer tarefas simples do cotidiano;
  • redução da libido;
  • desinteresse por atividades que antes eram consideradas prazerosas;
  • insônia ou outros distúrbios do sono;
  • sentimento de angústia sem explicação;
  • aumento da procrastinação;
  • gastrite;
  • redução da produtividade.

A depressão também é uma possibilidade quando se ignora os sintomas da fadiga mental.

Você teve estafa mental em 2020?

Estafa mental: como a psicoterapia pode te ajudar a aproveitar melhor 2021?

Você se cansou muito em 2020? Por quê?

O exercício de refletir sobre o passado serve para identificar pontos que precisam de melhoria. Assim, as suas vivências futuras podem ser diferentes e muito mais deletáveis!

Se você passou por muitos períodos estressantes e encontrou-se frequentemente com estafa, precisa relaxar mais. A melhor maneira de reduzir o mal-estar emocional, psicológico e físico é relaxando. Você se deu esse privilégio em 2020?

A diversão é essencial tanto para crianças quanto para adultos. Atividades divertidas relaxam a mente e liberam hormônios “do bem”, como a serotonina e a endorfina. Eles são vitais para o bem-estar cotidiano.

Para ter uma ideia da qualidade das suas experiências no ano que passou, analise primeiramente os seus hábitos. O que você fez ou ainda faz que prejudica o seu bem-estar? Condutas que podem estar vagarosamente lhe adoecendo são:

  • ficar até tarde no trabalho com regularidade;
  • levar pendências profissionais para casa;
  • trabalhar nos finais de semana;
  • conflitos constantes com a família;
  • desrespeitar momentos de descanso;
  • alimentar-se com lanches e refeições rápidas com frequência;
  • sedentarismo;
  • beber ou fumar em excesso;
  • negligenciar o sono;
  • colocar as necessidades dos outros acima das suas;
  • ficar tempo demais nas redes sociais;
  • não conseguir desligar a mente das obrigações.

Quais desses comportamentos são comuns em sua rotina? Faça uma lista para identificá-los com clareza e, em seguida, redija uma segunda lista. Esta deve conter hábitos positivos que você gostaria de desenvolver para aproveitar mais a vida.

E depois?

Para que o próximo ano seja diferente, você basicamente precisa fazer o oposto do que deu errado no ano que passou. Por isso, a mudança de hábitos é tão importante.

Para facilitar esse processo de mudança, comece com as modificações mais simples. Dormir e acordar em horários previamente definidos, ler um artigo inspirador todos os dias e fazer exercícios físicos regulares são exemplos. Depois, passe para os hábitos maiores.

Mas como substituir a vontade de agarrar todos os compromissos que vê pela frente para sentir-se realizado? Como aprender a falar “não” quando necessário? É mesmo possível colocar necessidades e vontades pessoais no topo da lista de prioridades?

Fazer mudanças comportamentais associadas a sentimentos, ressentimentos e traumas é compreensivelmente mais difícil.

Alguns dos nossos hábitos são, na verdade, mecanismos de defesa para evitar sofrimento. Se você sofreu no passado, é provável que o medo de encontrar uma situação ruim idêntica ou similar ronde a sua vida. Esse sentimento fortalece a permanência na zona de conforto, dificultando desde as mudanças pequenas até as mais significativas.

Felizmente, essas questões emocionais podem ser sanadas na terapia.

A psicoterapia pode te ajudar a aproveitar a vida!

A psicoterapia é um processo de autoconhecimento e transformação pessoal. Além de tratar transtornos mentais, como depressão e ansiedade, ele ensina as pessoas a viverem melhor.

A psicoterapia também é um tratamento válido para a estafa mental. O acompanhamento psicológico previne a evolução da estafa para o burnout, pois auxilia os pacientes a fazerem as tão necessárias mudanças em sua vida.

Quebrar o costume de trabalhar demais, melhorar a rotina do sono e elevar o sentimento de autovalorização pode exigir a cura de incômodos emocionais. Por exemplo, a falta de autoestima e o complexo de rejeição podem encorajar o vício ao trabalho.

A pessoa que se sente desvalorizada arrisca a sua saúde mental e física para conseguir o reconhecimento de terceiros e, então, sentir-se amada e vencedora na vida.

Na maioria das vezes, o que impede as pessoas de viverem com qualidade são elas mesmas. Por estarem confortáveis (até certo ponto) com seu modo de vida pouco saudável, não fazem esforços para mudar ou temem deixar a zona de conforto.

Por conta disso, as transformações árduas podem ser feitas com ajuda de um profissional da saúde mental. Ele guia os pacientes por traumas, ressentimentos e limitações. Dessa forma, conseguem analisar cada fator com racionalidade e fazer os enfrentamentos para se desapegarem deles.

É claro que esse processo de crescimento pessoal não é fácil. Ele é formado por lágrimas, desabafos, liberação de raiva e muita reflexão.

Ao fim do acompanhamento psicológico, contudo, o paciente chega a um novo nível de entendimento sobre a sua saúde mental, bem-estar emocional e necessidades. Com esse conhecimento é mais fácil combater a estafa mental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *